#167457 Resposta

Paulo Sousa

Caros senhores donos de animais e vítimas dos mesmos:

 

Tenho um casal de vizinhos que se  mudaram há dois três meses com o seu Basset Hound para o quintal ao lado do meu. Neste preciso momento em que escrevo estou na sala e mesmo assim consigo ouvir o cão a ladrar.
Ladra de dia e de noite, há dias acordou-me às seis e meia da manhâ. Chegou a ficar à chuva com temperaturas bem baixas e lá ficava ele a ganir e a ladrar. O barulho é de facto perturbador. Para um cão de porte médio impressiona como o corpo barrilento do animal possui tamanha capacidade sonora.  Já irritado, sobretudo pelo TÍPICO desrespeito na forma de desinteresse pelo que os outros vizinhos possam pensar perante o contínuo ladrar da criatura bati-lhes à porta. Perguntei se podiam parar o cão ao que me respondem : “o que é que quer que eu faça?” – perguntei se não lhes incomoda o barulho e de forma totalmente desinteressada como quem atira areia para os olhos dizem-me que é o cão que sempre que vê a bebé deles ladra. Com essa resposta percebi de imediato que não querem saber dos outros, podia ser a desculpa do bebé como da inflação, qualquer coisa valia.  Contactei a junta de freguesia a relatar a situação e outras na zona indicando o ruído não só do cão deste vizinho como de outros, de pessoas que alimentam gatos vadios na rua, de cães sem açaime e trela e solicitei a conteplação legal para tais ocorrências e se a junta tem levado a cabo alguma inicitativa de consciêncialização para o civismo ao que recebi uma resposta bastante incompetente a solicitar-me o nome da rua onde alimentam os gatos!!!
Num país onde pelos passeios cheios de merda de cão (podia dizer dejectos mas estou farto de paninhos quentes neste assunto), onde deixam os cães a ladrar/ganir/cantár o solidó, não acredito na fragilidade dos donos de cães incompreendidos na sua inocência.
Estou neste momento a ponderar contactar a polícia às 19:41 porque estou cansado de chegar a casa e não poder usufruír do meu quintal por causa do barulho de quem não tem civismo para trazer o cão para dentro, ou dignar-se a sair da cama para mandar o cão calar-se e mesmo que o façam já percebi que não têm qualquer autoridade ou domínio sobre o cão.

 

Chega!