#171721 Resposta

Rui David

Antes de mais é sempre importante mostrar boa fé, assumindo perante a vítima a responsabilidade bem como as despesas médicas e talvez o assunto fique por aqui.

Caso haja uma queixa nas autoridades policiais, é importante que tenha toda a documentação, como boletim de vacinação, chip de identificação e registo na junta de freguesia actualizado. Estando a queixa formalizada, o seu pointer vai ter que ficar um período de quarentena, sob avaliação do veterinário municipal. Se os danos não forem grandes e não houver histórico de agressividade, e até dada a idade do animal,pode solicitar que a quarentena seja feita em casa. A partir daí, o seu cão ficará a ser considerado animal perigoso, o que implica castração obrigatória, a necessidade de fazer um seguro de responsabilidade civil, quando na rua ter sempre açaimo funcional e trela de comprimento até 1m e, se solicitado pelo veterinário municipal, a frequência de formação para a detenção de cães perigosos ou potencialmente perigosos.

E pronto; é aborrecido mas não é o fim do mundo. O essencial é continuar a cuidar e proteger o seu animal de modo a que se sinta apoiado e não entre em stresses desnecessários.

Pode ver mais informação em: https://www.lpda.pt/legislacao/#C%C3%A3es%20perigosos%20e%20de%20ra%C3%A7as%20consideradas%20potencialmente%20perigosas