• Autor
    Artigos
  • #161936 Resposta

    Américo Marques

    Ola boa noite, hoje dia 20/12/2014, após ter deixado a minha cadela Raça lavrador no quintal de casa que é ladeado de muro para o animal fazer as necessidades, eis que temos um vizinho que ja pela treceira vez fez queixa de ruido por esta ladrar  cada vez que ele vem a rua para a provocar, pois o animal so ladra para este individuo, ao qual ja desconfiamos que bateu na nossa cadela.

    Estou então a escrever este tópico para que alguem me possa ajudar neste assunto pois a cadela ladra 10 a 15 minutos e assim que ela ladra o individuo chama a policia que não consegue provar nada pois esta esta sempre em casa. E só sai para as necessidades e nesse curto espaço de tempo 10 minutos depois tenho os agentes a porta para e avisarem, como ja acontece a 3 vezes, ou a policia nao tem mais que fazer ou tenho de ensinar a cadela a falar e apos ela aprender ensinar a ver as horas para que ela veja que ja passou os 10 minutos que o policia me disse

    Obrigado,

    pede deferimento urgente

  • #162102 Resposta

    ruidavid
    Administrador

    As questões do ruído associado aos cães é sempre uma questão um pouco subjectiva; se bem que, segundo a lei do ruído, não possa haver barulho no período noturno, mesmo durante o dia, se o barulho for muito elevado e/ou constante, pode dar azo a queixas. Mesmo que os níveis de ruído causado pelo ladrar de um cão dificilmente possam chegar a um grau muito alto, há atitudes que se podem tomar para minimizar esse tipo de conflitos.
    Levar o seu cão a um treinador ou a uma escola de educação canina é uma opção que, com métodos positivos, consegue, normalmente, muito bons resultados.

    • #177942 Resposta

      carlospica

      Tudo é plausível mas nem tudo admissível, ter cães a ladrar todo o dia ao ponto de passar pelas ditas brasas pouco ser impossível, os DITOS ladrão desalmadamente todo o Santo dia.

      Tem de haver uma lei que interdita o seu ladrar permanente. O descanso é impossível e só o por do SOL os cala. 2 rafeiros em que faz parecer haver 3 dado que alguém tem de ser responsávelmente chamado à RAZÃO.

        <li style=”text-align: center;”>NNB: Eu adoro animais incluindo CANIDEOS.
  • #163594 Resposta

    Paula

    Aproveito o tópico, pois ao ler a resposta sobre o “treino e ensino” fico na dúvida da congruência da mesma.
    Eu tenho cães guarda para me alertarem de perigos (quer pessoas estranhas ou potencialmente perigosas, quer animais estranhos – desde baratas a cobras), não quero um cão mudo! E também tenho vizinhos que já me agrediram a mim e já antes eu desconfiava que agrediam os animais, agora sei que sim pois eles já o assumem. Mas agora não se têm atrevido a tanto.
    Os animais geralmente têm razão em ladrar… quer se goste ou não, umas poucas vezes ladram por razões territoriais supérfluas a meu ver (mas não na visão do cão).
    Que diferença faria um treino? Um treino consegue fazer discernir que se deve ladrar a uma ratazana e a uma cobra, mas não se deve ladrar a um ouriço ou a uma osga? Que se deve ladrar a um bêbado mas não ao vizinho violento?

    • #163609 Resposta

      ruidavid
      Administrador

      As queixas associadas ao ruído provocado pelos animais, nomeadamente animais domésticos em prédios de habitação, têm, sobretudo, duas causas:

      a) Há pessoas que não gostam de animais, ou não gostam da ideia de outras pessoas terem animais e ao mínimo ruído queixam-se de lhe perturbarem o sossego. Temos que perceber,e essas pessoas também, que quando vivemos em sociedade, principalmente quando vivemos numa cidade, estamos num ambiente em que coabitamos com outras pessoas, muitas vezes com hábitos diferentes dos nossos e logo não podemos exigir que tudo à nossa volta se passe exactamente como desejamos.

      b) No entanto, mesmo numa cidade, temos direito ao sossego e há, por vezes vizinhos que, ou não se preocupam minimamente com os outros, ou não conseguem gerir uma situação que os ultrapassa. São regras básicas de civismo, nem sempre fáceis de acordo comum. Quando um animal passa o dia e até a noite a ladrar, é um sinal de que não está bem; isso acontece, muitas vezes devido ao chamado síndrome do abandono, em que o animal se vê sozinho e não consegue ultrapassar o stress criado; muitas vezes os donos do animal querem resolver essa situação, até para o bem do seu animal, mas não sabem como o fazer. É nestas circunstâncias que o treino ou educação canina pode ajudar. Naturalmente cada caso é um caso e isto são concelhos gerais, tendo como referência um tópico e não uma situação perfeitamente definida.

    • #169597 Resposta

      Carlos

      não queres um cão mudo mas os outros não têm de aturar o barulho do teu cão, e se ladra por tudo então das duas uma, ou começas a ligar a nada porque sempre que aparece uma barata ele ladra, e se ladra a uma barata ladra a tudo que aparece, a menos que a treines para ladrar apenas a baratas, o que duvido, ou vais passar a vida a ir ver a que raio ele está a ladrar, e se ladrar apenas a gatunos, ou seja intrusões, então duvido que isso cause queixas dos vizinhos, e se os há é porque ele ladra a tudo, e de certeza que não o mandas calar, o que leva os vizinhos a pensar que não os respeitas pois deixas que o ouçam enquanto o cão quer, e quem não se dá ao respeita não é respeitado.

    • #177943 Resposta

      carlospica

  • #163611 Resposta

    Manuela

    Boa tarde

    Eu adoro animais, ja tive tres cadelas a viver no meu apartamento que tem uma varanda enorme e terraço nunca fizeram tanto barulho os 3 como o meu recente vizinho de cima. O animal passa a maior parte do dia e noite a ganir repito a ganir e não a ladrar, penso que o ganir se torna mais forte quando vê os donos dentro de casa, se bem ouço está preço por uma corrente.
    Como referi adoro animais principalmente cães mas este cão não tem culpa e eu também, como devem imaginar é complicado estar em casa a descansar e estar constantemente a ouvir um cão a ganir, chega a um ponto que tenho de sair de casa para não o ouvir porque já entro em stress cada vez que começa a ganir.
    Alguma sugestão? visto que o dono ja foi avisado para ter mais cuidado com o cão.
    Obrigada

    • #166984 Resposta

      Hugo
      Participante

      Os donos do animais sejam Cães ou outros, têm que ter um pouco de civismo, ora Cães de guarda ou outro cão qualquer é claro que não sabe as horas ou se esta acusar intrigas ou não, alguns donos é que são pessoas sem qualquer civismo ou responsabilidade alguma, agora imaginem só quatro Cães a ladrar a noite inteira e tem um dos cães que não ladra grita e você morar logo ao lado com filhos e ser obrigado a ficar a noite inteira acordado. Isso é bonito…

  • #163617 Resposta

    ruidavid
    Administrador

    Além deste tópico, veja, por favor, os tópicos “Cão a ladrar no prédio . queixas na PSP e polícia Municipal” e “Cão de grande porte fechado em casota a uivar qb” no fórum Consultório Jurídico e “Animais em garagem” no fórum Perguntas frequentes.

  • #166361 Resposta

    Carlos Santos

    1ª- leia o DEC-Lei 09/2007

    2º- deve mandar treinar o animal

    3º Não limpar as fezes do animal dá uma multa de 250 euros

    4º A GNR não precisa de flagrante delito, fáz relatório á camara e o queixoso tem que assinar, a multa são de 500euros

  • #166387 Resposta

    Ricardo
    Participante

    MORO EM ALBUFEIRA E TENHO UM VIZXINHO NO apartamento do lado q tem um cao dia e noite na varanda a uivar e a arranhar a porta da varanda para entrar em casa mass nao o deixam entrar.nao vao passear com o animal a rua e ainda por cima para ver se ele pára de fazer barulho dão lhe tareias!estou farto desta situacao que ja dura ha um mes.a gnr local ja ca veiu avisar por causa do barulho mas de nada serve.esta gente nao merece ter o animal em casa.eu queria que alguem me ajuda-se a tirar o cao daqui para um sitio onde o tratem bem!por favor se alguem puder fazer alguma coisa informem-me.

  • #166958 Resposta

    Margarida

    Parece-me que há muita ignorância neste país em relação á lei do ruído.
    Para começar eu sou uma pessoa que vivo num prédio em que existem 6 cães, 3 deles pelo menos são insuportáveis, os outros toleráveis pois ficam abandonados muitos dias durante pelo menos 14h.
    Eu tive um Husky Siberiano no passado que nunca fez qualquer ruído e como qualquer pessoa que ocnheça esta raça sabe muito bem que eles não ladram. Nos últimos meses de vida quando saímos para trabalhar a cadela ficava a chorar, facto este que desconheciamos até um dia que vim a casa almoçar e tinha um linchamento á minha espera por parte de alguns vizinhos. Ora bem nunca ninguém me veio bater á porta a infornar da situação, em segundo lugar que tipo de pessoas se reunem á porta do prédio para nos espanacar porque o animal ficava a chorar? Depois de saber da situação, comprei um açaime para a cadela e sempre que saía para trabalhar ficava á escuta para ver se ela fazia barulho, até coloquei uma camera a gravar o que a cadela fazia. Ela chorava de facto quando saímos mas nada resultou pois era uma cadela já de idade avançada. Quase fui espancada  pelos vizinhos, tive de telefonar de urgência ao meu marido para me vir ajudar e tivemos de colocar a cadela num canil temporário. Um amigo nosso ficou com a cadela até que ela morreu com um AVC 3 meses depois da separação.
    Fiquei traumatizada pela violencia e má fé das pessoas e com o choque da perda da cadele que afinal estava doente e não sabiamos.
    Hoje em dia, quase todos têm cães neste prédio, e há um em especial que desde o ínicio há cerca de 8 anos que só ladra e uiva horas a fio além do facto de o conseguir atirar-se às portas da casa comi se as quisesse destruir! Devo referir que este cão está no 1º andar e eu vivo no 3º andar ! Durante anos tive de aturar isto, muitos dias passava 8 horas  nesta raiva, até que tinha de sair de casa para não o ouvir.
    Pouco depois da perda da minha cadela fui diagnosticada com uma doença crónica que me impede de sair com  frequência. Este cão chegava a ficar a ladrar aos Sábados à noite desde as 24h até às 3h30 da manhã. Tenho problemas de coração além de dores horríveis 24/7 e ainda tenho de aturar isto?
    No 2º andar existem dois caniches que faziam o mesmo….
    Chamei a policia devido ao ruído e ficaram muito ofendidos??!!! Caso não saibam a nossa liberdade termina onde a do nosso vizinho começa, logo se os ofendidos aqui acham que têm direito de ter cães a ladrar constantemente, eu tenho direito a poder dormir à noite e a minha paz e tranquilidade!!!
    Mais um facto que os ignorantes não sabem, o ladrar dos cães podem atingir até 100 decibéis!!! O ouvido humano pode tolerar até 55 max de ruído, para pessoas inteligentes acho que não é preciso explicar mais.
    Antes que escrevam mensagens de ódio e de dizer que detestamos animais ou que temos inveja parem para pensar nates de falar tamnhos disparates meus senhores. Há pessoas como eu doentes e que não podem sair de casa, que temos de viver em sofrimento e muitas vezes precisamos de descanso e não o poodemos ter.
    No meu prédio os vizinhos são todos ruídosos, não respeitam as 11h da noita para terminar com o ruído; fazem barulho até às 2h30 da madrugada, atiram com coisas para o chão quando tentamos dormir, falam aos berros, além dos cães que ladram também. Há 8 anos que tenho de usar tampões para dormir e algumas vezes durante o dia e não é suficiente para abafar todos os ruídos. Estas situações foram apresentadas ao condomínio e as pessoas em questão foram alertadas para isto mas acham-se no direito de continuar a perturbar as pessoas que têm de acordar às 6h da manhã para ir trabalhar ou que simplesmente querem dormir.
    Gostaria de saber que os ofendidos aqui gostariam de acordar de madrugada com o cão a ladrar raivoso ou então a um Domingo logo às 7h da manhã? e se estiverem doentes de cama, gostariam de ouvir 3 cães a ladrar horas a fio?
    O stress provocado pelo ladrar constante dos cães leva a estados de ansiedade elevada e por sua vez a ataques de pânico provocado pelo ruído constante – eu sofro disto!
    Há mais cães no meu prédio mas não ladram, pois foram educados; os cães que ladram não estão abandonados, os donos estão em casa e deixam-nos fazer todo o ruído que querem.
    Meus senhores todos podemos ter animais mas há que educá-los desde pequeninos e o respeito pleos vizinhos e civismo acima de tudo é o que faz de nós pessoas inteligentes. Antes de ficarem tão irritados pelas pessoas chamarem a policia pensem que nem tdos conseguimos suportar o mesmo nível de ruído. Respeito acima de tudo, se não conseguem controlar os animais levem-os para uma escola ou então ofereçam-nos para adoção para que fiquem em casa com mais condições e não em apartamentos ou fechados em varandas.
    Se querem ter um cão há regras básicas para respeitar! Lembrem-se só que amanhã podem ser os senhores a ficarem sensíveis ao constante ruído de cães.

     

  • #167408 Resposta

    fil

    Só quero dizer, animais e apartamentos NUNCA vai combinar, esqueçam em ter animais em apartamentos

    • #167456 Resposta

      Vitor Gomes

      A Margarida parece igualmente equivocada..

      Eu tive um vizinho com um husky e durante meses, repito, meses, não fazia outra coisa que não ladrar à janela, numa zona que tinha um enorme muro à frente, fazendo ecoar o ladrar constante e amplificando-o.

      Reitero que era ladrar, não uivar ou chorar ou ganir.

      Quando se falou na reuniao, confesso que me senti fora deste planeta, pois a resposta, até colectiva, foi que era um cão novinho.. Deixem-me ver se eu percebi, escolho não ter cães, mas quem escolhe tê-los, acha-se realmente no direito absoluto de os ter a ladrar o dia todo incomodando vizinhos? Portanto por ser um cão, animal irracional, tem de existir uma tolerância extra? Eu sem cão, ouço-os e tenho de me desviar dos dejectos no chão como se estivesse a jogar à macaca, mas quem tem cão não tem quaisquer responsabilidades de civismo e considera qualquer queixa, um excesso de alguem que não tolera nada?

      Isto está completamente tudo ao contrário, e alem do civismo que está em vias de extinção, a capacidade mental das pessoas também parece ir pelo mesmo caminho.

      Claro que reunir vizinhos para baterem num dono sem nunca terem dito nada, os torna tão descompensados como os donos que não querem saber do direito ao silêncio dos vizinhos, mas jamais em tempo algum se deve subir dois degraus de uma vez, o primeiro degrau é o diálogo, depois disso e com a máxima cordialidade possível, calma e educação, se a resposta for “vá dar uma curva” ou for “com certeza, vamos resolver” e na prática não resolverem nada, aí sim, as autoridades servem para isto, para fazerem o que nós não conseguimos, e depois chegam as notificações, multas, e processos que visam resolver o problema.

      É como o tabaco e o direito a fumar, sim, é um direito, mas isto está tão do avesso, que o meu direito de não fumador a poder respirar ar puro numa zona pública, fica comprometido pelo direito ao fumador de poder fumar livremente em qualquer zona pública, portanto o direito do fumador é sempre mais ampliado que o meu, mais que não seja porque eu não tenho nada para impingir no nariz, pulmões e organismo do fumador, mas ele tem para impingir em mim. E tem esse direito! LOL

  • #167457 Resposta

    Paulo Sousa

    Caros senhores donos de animais e vítimas dos mesmos:

     

    Tenho um casal de vizinhos que se  mudaram há dois três meses com o seu Basset Hound para o quintal ao lado do meu. Neste preciso momento em que escrevo estou na sala e mesmo assim consigo ouvir o cão a ladrar.
    Ladra de dia e de noite, há dias acordou-me às seis e meia da manhâ. Chegou a ficar à chuva com temperaturas bem baixas e lá ficava ele a ganir e a ladrar. O barulho é de facto perturbador. Para um cão de porte médio impressiona como o corpo barrilento do animal possui tamanha capacidade sonora.  Já irritado, sobretudo pelo TÍPICO desrespeito na forma de desinteresse pelo que os outros vizinhos possam pensar perante o contínuo ladrar da criatura bati-lhes à porta. Perguntei se podiam parar o cão ao que me respondem : “o que é que quer que eu faça?” – perguntei se não lhes incomoda o barulho e de forma totalmente desinteressada como quem atira areia para os olhos dizem-me que é o cão que sempre que vê a bebé deles ladra. Com essa resposta percebi de imediato que não querem saber dos outros, podia ser a desculpa do bebé como da inflação, qualquer coisa valia.  Contactei a junta de freguesia a relatar a situação e outras na zona indicando o ruído não só do cão deste vizinho como de outros, de pessoas que alimentam gatos vadios na rua, de cães sem açaime e trela e solicitei a conteplação legal para tais ocorrências e se a junta tem levado a cabo alguma inicitativa de consciêncialização para o civismo ao que recebi uma resposta bastante incompetente a solicitar-me o nome da rua onde alimentam os gatos!!!
    Num país onde pelos passeios cheios de merda de cão (podia dizer dejectos mas estou farto de paninhos quentes neste assunto), onde deixam os cães a ladrar/ganir/cantár o solidó, não acredito na fragilidade dos donos de cães incompreendidos na sua inocência.
    Estou neste momento a ponderar contactar a polícia às 19:41 porque estou cansado de chegar a casa e não poder usufruír do meu quintal por causa do barulho de quem não tem civismo para trazer o cão para dentro, ou dignar-se a sair da cama para mandar o cão calar-se e mesmo que o façam já percebi que não têm qualquer autoridade ou domínio sobre o cão.

     

    Chega!

  • #167459 Resposta

    Laura M.

    Ola, como estão todos?  Para aqueles que possam pensar que não gosto de animais deixo desde já claro o facto de ter um gato já com 10 anos de idade (tenho-o desde as 3 semanas) e um cão que adotei e que está a  viver comigo à 4 anos, vivo num apartamento. Eduquei o meu cão para que ele não ladrasse, ponto final, aquelas pessoas que têm daqueles cães que ladram das 9 da manha até às tantas da noite são pessoas que inicialmente devem ser chamadas à atenção para tal facto, depois disso é chamar a polícia e filmar a situação para depois as pessoas não virem muito desgostosas dizer “ai coitado do meu cãozinho”. O barulho que os gatos fazem é algo ligeiro, como por exemplo correr pela casa fora (são animais relativamente leves logo isso não irá causar um barulho que se ouça nem que seja incomodativo) ou então miar. O miar também é controlável pelo menos no caso do meu gato, também fui capaz de o educar e não o deixo ir as tantas para a janela mesmo para evitar essas situações. Agora acho muito bem que os donos desses cães sejam informados de escolas de treino para os cães a preços acessíveis ou então por cada queixa em que haja provas (vídeo, testemunhas, etc…) sejam multados mas bem multados até porque a nossa liberdade acaba onde começa a dos outros. Querem ter cães como eu tenho em apartamentos eduquem-nos, não deixem o animal a incomodar toda a vizinhança. Lembrem-se também que se o cão fez X ou Y a culpa é do dono pois, é o dono que tem que tomar conta e responsabilizar-se.

    • #169124 Resposta

      antonio

      compreendo prefeitamente a sua “revolta” óh se compreendo!!! vivo numa zona de vivendas, na quinta do conde, e o meu vizinho (quase da frente) tem 2 serra da estrela…dois!!!!!por acaso um até morreu há uns 2 anos, mas passada uma semana, se tanto, ja la estava outro no lugar do que morreu, e voltaram a ser 2 novamente!!!estes cães estão a noite toda a ladrar, mas é que é a noite toda mesmo, quase sem pausar, e como são enormes, tem um vozeirão do caraças, sabe como é…eu já cheguei ao meu limite, pois há 4 anos que ando a sofrer com isto, e todas as santas noites, eu já fiz de tudo, desde levantar-me super enervado, e vir á janela para os calar, mas ainda é pior, uma vez, até fui tocar á campainha deles, pois estava tão fulo, que pensei cá para mim, “se eu não durmo, vocês tambem não”, toquei á campainha e vim logo para casa, e eles levantaram os estores e olhavam rua acima, rua abaixo, sem sequer pensarem que fui eu que tinha tocado á campainha…acredita, que não houve uma unica vez que eles levantaram o cú da cama para mandarem calar os caes nestes 4 anos? pois acredite que é verdade…e pior, sabe o que fizeram uma vez?ele veio falar com a minha mulher, só porque 1 amigo meu apitou á minha porta para me chamar ás 7 da tarde!!!!e pior ainda, houve um tempo em que o comando do portao deles devia estar avariado, e eles nesse tempo chegavam sempre por volta da 1 da manha a casa, e só para nao levantarem o cu do carro para tocar á campainha para o filho abrir o portao com o comando dele, buzinavam no carro deles…á uma da manha, equando se queixaram que o meu amigo buzinou ás 7 da tarde!!!!isto ultrapassa o cumulo do ridiculo!!!!sao neste momento 04:34, e ás 4 da manha deixei um papel no correio deles, a explicar a situação dos caes deles ladrarem a noite toda, e que há uma longa temporada não conseguia-mos ter uma unica noite de descanso normal derivado aos cães deles, e que seria de facil resolução, pois bastaria comprar uma coleira para eles, para esse fim, e essas coleiras resultam mesmo…eu pedi educadamente, e por favor, no bilhete anónimo que pus na caixa de correio deles…hoje já é terça-feira, eu dou-lhes uma semana. o que dá perfeitamente e sobra para comprarem as coleiras para aqueles bisontes…se se estiverem completamente a cagar para a minha conversa, ai começo a chamar a gnr…eu tambem tenho 2 caes, um no jardim e outro pequenino dentro de casa, e jamais eu permitiria que eles ladrassem, só porque sim…os meus vizinhos quase todos tem cães, mas só os deste meu vizinho é que ladram durante a noite…eu acho uma falta de respeito, em 4 anos nunca vieram á janela mandá-los calar, nunca!!!bem, agora que a minha paciência chegou ao fim, e já dei este passo, deixa lá ver como isto vai acabar…

  • #167784 Resposta

    Paulo Sousa

    No seguimento do episódio que relatei anteriormente:

     

    Ontem, Sábado deitei-me às 6 da manhã planeando dormir até tarde . Surpresa, não consegui. 9 da manhã tive um recital de Basset Hound, já exasperado pela situação bati três vezes na cama para demonstrar pelo gesto o desrespeito pelos outros e o incómodo causado . Talvez  os vizinhos do lado percebessem caso tenham ouvido. Levantei-me, bati com portas, atirei com as coisas pelo ar. São já pelo menos 6/7 meses desta merda. Cheguei a estar de baixa médica por excesso de stress no trabalho e durante o período de repouso tive que suportar esta falta de civismo, esta arreliante falta de regras adquiridas de que incomodar os vizinhos é uma coisa errada como quem explica  a uma criança.
    Já tinha falado com o dono do animal que me prometera tomar medidas, o que se traduziu por limitar-se (creio) a recolher o cão do quintal durante o período abrangido pela lei do ruído mas que mesmo assim se tornou insuficiente uma vez que quando chego a casa depois de um dia cansativo de trabalho continuei a  gramar com o animal de estimação alheio no quintal junto ao meu. Outrora já havia contactado a PSP para saber como agir e qual o enquandramento legar do ruído e fui esclarecido de que embora exista uma janela horária de ruído, o mesmo está sujeito a limites como determinado nível de decíbeis, como de frequência e incómodo.  Acrescento que o cão até incomoda quando calado porque a qualquer momento entre o silêncio irrompe um ladrar indiscritível que tem feito cacos da paciência de uma pessoa.  Chamei a polícia finalmente e como o cão se calou interpretei que a PSP muito discretamente já tinha ido falar com os vizinhos em causa.
    Tendo terminado o barulho, com os olhos irritados de sono, ombros doridos pelo stress decidi voltar à cama para aproveitar o Domingo quando pela janela do quarto, pelas 11 horas,  ouço alguém a brincar com o cão que estava calado. Só pensava que quem quer que estivesse a meter-se com o cão ia conseguir faze-lo começar outra vez, e feito. Resmunguei : “Parabéns pá! Querias fazê-lo ladrar outra vez conseguiste! ” . Começou uma série de latidos, no mínimo um minuto (!) a ladrar ininterruptamente com um poder de som incompreensível para um animal de porte médio.  Liguei novamente para a PSP, o que eu desejei que ouvissem pelo telefone o que tenho ouvido a 5 metros de distância. Não atenderam. Vesti-me , duche por tomar, meio alienado pela rua fui à esquadra. ´Tenho várias testemunhas que me apoiarão em caso de queixa mas inicialmente a intenção fora só fazer a PSP deslocar-se ao local para mandar calar o cão e para que percebessem que quando alguém chega ao ponto de chamar a polícia é porque algo não está certo. Explicaram-me que a queixa deve ser apresentada na Câmara Municipal mas que iam mandar lá alguém. Vim para casa e passado uns minuitos ouço os rádios da polícia na rua. Deixei-me ficar na sala. Embora fosse importante para mim saber do conteúdo da conversa entre o vizinho e a PSP sentia-me incomodado pela ideia de andar a escutar conversas atrás da porta. Porém ao passar para a cozinha não pude deixar de ouvir o vizinho dizer que todo o ruído tem sido entre o horário estabelecido (há umas semanas acordou-me ás 6:30 e por causa disso ia adormecendo e chegar tarde ao trabalho) e que já tinha sido avisado por um vizinho e que neste caso se houvesse alguém que e queixasse que o fizesse directamente. Passei-me Abri a porta e apenas fitei-o nos olhos. Se insinuava que estava a denunciá-lo secretamente deixei bem claro que não era o caso e que se fosse necessário desmentir alguma coisa eu estava ali para fazê-lo. Lá continuou a falar com  a PSP por mais alguns segundos entrou para casa , a PSP foi-se embora e eu vim para dentro também. Pelo que me apercebi vai continuar a deixar o cão ladrar durante o horário de ruído. Amanha sigo para a Polícia Municipal.
    Chega de  falta de civismo e de chicoespertismo. Aqui na zona toda a gente tem um cãozinho na varanda a ladrar, muitas vezes à noite. Falta de respeito.
    Começo a abominar pessoas que são donas de animais e que desrespeitam totalmente o descanso dos outros e tão farto desta trampa , só de escrever isto sinto os ombros completamente doridos desta falta de paz que este analfabetismo cívico alheio me está a causar.

  • #167785 Resposta

    Paulo Sousa

    Estive a ver o debate Hillary/Trump e fui deitar-me às 4 da manhã. 7:15 da manhã fui despertado pelo cão. Não consegui mais pregar olho. Num fim de semana dormi 9 horas. 11 da manhã fui fazer queixa à Câmara Municipal. Aguardo notificação.

  • #167796 Resposta

    Sérgio Ramalho

    Para começar gostaria apenas de dizer que acho engraçado o último comentário, pois ficar acordado até às 4 da manhã para assistir a um debate entre candidatos às eleições em outro país e vir-se queixar de descansar pouco porque um cão ladrou às 7:15 da manhã é no mínimo anedótico…..

    Agora para deixar aqui o meu relato, eu tenho agora um cão no meu apartamento e que trouxe um pouco de vivacidade ao meu prédio :D , o cão raramente ladra quando estamos em casa , a não ser se tocarem á campainha ou baterem com as portas, mas tem um senão fica triste quando saímos eu e minha esposa de casa, ladra uns minutos e os vizinhos já dizem que não conseguem descansar , looool.

    Para informar que o cão dorme connosco no quarto, não ladra de noite por isso não perturba o sono de ninguém. Apenas durante o dia de semana e bem depois das 07:30 hora em que a maioria das pessoas já se encontra acordada para ir trabalhar.

    Mas as pessoas apenas se acham no direito de proibir os outros de terem animais e acusam de não sermos tolerantes com o descanso dos outros.

    Eu estive 2 anos a trabalhar apenas de noite e deitava-me por volta das 09 da manhã , e todos os dias por volta das 11h/12h levava com o meu vizinho a arranjar sapatos no sotão mesmo por cima do meu quarto, e tinha de me mudar para a o sofá a ver se conseguia pelo menos dormir um bocado.

    • #167974 Resposta

      Marco Almeida

      Caro Sérgio Ramalho,

      Acho que 90% dos casos em que os cães ladram ao ponto de os vizinhos pensarem sequer em dizer alguma coisa, tem muito haver com os donos. A sua atitude no que escreve acaba por mostrar isso mesmo, ”trouxe um pouco de vivacidade ao meu prédio ” isto só pode ser a gozar e achar que o seu direito de ter um animal é maior do que o direitos dos vizinhos não terem de o ouvir. Infelizmente é desta escumalha que mais temos por este país a fora..

      Eu tenho dois cães e um gato num apartamento e apesar de obviamente uma ou outra vez, por uma ou outra razão, puder haver um período momentâneo (dura segundos) de algum desentendimento entre eles  e é a única vez em que há algum tipo de barulho por parte dos meus animais. Ás vezes muito possivelmente faço eu mais barulho arrumar coisas ou a ouvir música, mas como até agora nunca ninguém se queixou, penso não estar a passar os limites.

      ”o cão raramente ladra quando estamos em casa ,” o que é para si raramente? é que para cada pessoa o raramente pode ter uma quantidade diferente de vezes, para mim raramente é uma vez em muito tempo, por exemplo, para si pode ser 5 ou 6 vezes ao dia ainda mais sendo o dono do animal e ter uma tolerância maior. É difícil ás vezes vermos para lá do nosso próprio umbigo, eu sei, neste país então parecemos todos pançudos.

      ”a não ser se tocarem á campainha ou baterem com as portas,” os cães ladrarem por tocarem à campainha ou baterem com portas não é um comportamento normal, só o é porque os donos assim o deixam.. e muitas vezes até estimulam esse comportamento. Eu sendo seu vizinho, você domingo tem um almoço de familia onde vão tocar 7 vezes á campainha (p.e), está a minha manhã/inicio de tarde de domingo a ler arruinada, porque o seu cão só ladra quando lhe tocam à campainha ou fecham portas.. era tão bom poder comprar e oferecer uma coisa chamada bom-senso às pessoas..

      Mas… ”tem um senão fica triste quando saímos eu e minha esposa de casa, ladra uns minutos e os vizinhos já dizem que não conseguem descansar , looool.” porque quando você e a sua amada esposa saem de casa ele fica a ladrar, só uns minutinhos pensam vocês, porque o que percebo pelo que escreve é que efectivamente não estão em casa para confirmar se são 2 ou 40 minutos e também aí à uma diferença.. mas isso pouco importa, são os vizinhos que ouvem, eles só podem estar a exagerar.. o meu cao só ladra quando tocam à campainha ou batem com portas..

      O mais triste nestas estórias todas é que realmente para além dos vizinhos, quem sofre mais é o animal, porque em todos casos não tem comportamento próprios de uma animal saudável mentalmente.. e os donos estão obcecados demais arranjarem desculpas por isto e por aquilo em vez de tentarem resolver o problema.. mas o problema está resolvido as fotografias no facebook ficaram boas, tiveram mais de 3 likes, o resto os vizinhos que aturem.

      Para terminar esqueci-me de referir que já não vivo em Portugal à um par de anos, vivo num país em que apesar de também se olhar muito para o próprio umbigo, há a sensibilidade de algumas vezes também olhar para o umbigo dos outros e pensar se se está a passar dos limites, um país que apesar de a escola para cães não ser obrigatória uma grande percentagem de donos de cães prefere fazer, não só para não ser um inconveniente para terceiros mas também para a saúde mental e física do animal.

      E caro Sérgio,

      ”Eu estive 2 anos a trabalhar apenas de noite e deitava-me por volta das 09 da manhã , e todos os dias por volta das 11h/12h levava com o meu vizinho a arranjar sapatos no sotão mesmo por cima do meu quarto”.  Não sei se é uma novidade para si mas a grande parte do mundo funciona de dia, se não abordou o seu vizinho sobre o seu caso especifico é normal que tivesse de ir para o sofá muitas vezes..

  • #168091 Resposta

    Hugo

    Boa tarde,

    Eu tenho uma cadela de 4 meses, quase 5, raça não pura de pointer alemão.

    Vivo num prédio antigo, nº 3 andar(último andar), onde no 1ºandar e no prédio à frente vivem duas pessoas de idade, reformadas, que obviamente, passam os dias em casa.
    Pela lei, em dias úteis, “pode-se”  fazer barulho entre as 7:00 às 23:00, ora, a minha cadela, fica na varanda (quando eu saio de casa para ir trabalhar) enquanto eu me preparo para sair de casa (6.45 às 7.30), a cadela ladra (15/20min, não seguidamente, mas ladra), saio de casa, ladra mais uns 2 minutos e pára. (não é todos os dias, há dias que ela não acorda às horas que eu acordo, então eu saio de casa e ela continua a dormir)
    Pelo menos durante o fim de semana, ela faz o mesmo ritual ,eu saio do quarto e vou para a sala onde ela não me consegue ver, e passado os tais 2 minutos, ela para, fica a brincar, dorme, não late mais até eu ir ter com ela, brincamos, corremos pela casa, etc etc, volta para a varanda, late uns 7 minutos e pára.
    À hora de dormir, ela dorme no meu quarto quieta sem fazer barulho.
    Ou seja pelo menos parece-me que durante a semana, não incomoda ninguém, a não ser aqueles 20 minutos de manha que não são 20 minutos sempre a bombar, e à noite(18.50) quando chego a casa que é uma questão de 2 minutos para ela começar a ladrar, ladra uns 3 minutos pára, vou ter com ela, não late mais…
    Mas o que acontece é que, as tais vizinhas já me bateram à porta a dizer que o cão não pode ladrar porque têm depressão e que se não paro com isto, chamam a policia…

    COMO ASSIM? ELA NUM DIA INTEIRO LADRA NO MÁXIMO 30/40 MINUTOS, que nem se quer são seguidos e nem se quer são super latidos, impossíveis de suportar. Mais ainda que quando estou a sair do predio e ela a latir, e na rua o tempo que ela late não chega a ficar insuportável.

    Estamos a falar de uma cadela que ainda não pode sair à rua se quer, e que é impossível um cão durante o dia todo, não ladrar nem uma vez… é que ás vezes ela late mas nem se quer´e para mim, é do genero está a brincar com o brinquedo e começa a ladrar e a saltar com ele…

    Não sei o que fazer, tenho que treinala para não latir os tais 20 minutos de manha, que não é todos os dias se quer?

    Obrigado.

  • #168161 Resposta

    Augusto Fonseca

    Eu acho que deveria ser proibido coabitar com os cães nos prédios .

    1º É o bem estar humano!

    2º  por questão de saúde!

    Ter cão é luxo! Por isso só para pessoas que vivem numa vivenda ou uma quinta.

  • #168166 Resposta

    Dircia moniz leite

    Ana Rita saiu de casa no domingo de manhã, como fazia desde sempre, para dar uma corrida. Ao passar perto da casa de Vítor apercebeu-se de um cão que a seguia de muito perto. Receosa que este a mordesse pegou na bicicleta de Vítor para fugir do cão.

    A intenção de Ana Rita nunca foi a de furtar a bicicleta de Vítor mas tão só fugir do cão que estava cada vez mais perto de si.

    1. Poderá Vítor exigir alguma indemnização a Ana Rita pelo facto de esta ter levado a sua bicicleta? E se esta a devolver, alteraria a sua resposta?

    Ana Rita, desconhecendo que a bicicleta de Vítor não tinha travões, ao fugir do cão que se aproximava cada vez mais optou por seguir por uma rua muito íngreme e, ao pressionar os travões para abrandar apercebeu-se que estes não respondiam. Como resultado, acabou por entrar com a bicicleta dentro do jardim da D. Natália que lá se encontrava a ler o seu livro.

    1. Natália assustada por ver surgir a Ana Rita dos arbustos do jardim gritou muito alto para chamar o seu marido Carlos que se encontrava dentro de casa. Este, ao ouvir a esposa e receando tratar-se de um assaltante, sai da porta da cozinha e atira um tiro para o ar com o objectivo de assustar o assaltante.
    2. Não contava no entanto que, a falta de visão e de pontaria o traíssem e que a bala fosse embater no telhado da casa de D. Beatriz, sua vizinha, fazendo ricochete e batendo na D. Natália que, entretanto se levantara e andava de um lado para o outro assustada no jardim. Quem é responsável pelos ferimentos de D. Natália?
    3. Ana Rita não só estragou a sebe do jardim jardim da D. Natália e do Sr.Carlos como danificou as flores raras que a D. Natália cultivava e vendia a um preço elevadíssimo por serem muito raras e procuradas. D. Natália exige de Ana Rita uma indemnização, tem algum direito?
    4. Constatando que nada disto teria sucedido se a bicicleta se encontrasse em bom estado, Ana Rita pretende exigir uma indemnização a Vítor por a ter induzido em erro colocando na porta da sua casa uma bicicleta que não estava em condições de andar em segurança. Terá Ana Rita algum direito?
    5. E Vítor, o que pode exigir uma vez que a sua bicicleta ficou totalmente estragada não sendo possível sequer repará-la? O que pode Vítor exigir uma vez que ficou sem bicicleta e esta tinha um enorme valor sentimental pois tinha sido dada pelo seu avô que entretanto falecera?
  • #168167 Resposta

    Dircia Leite

    Ana Rita saiu de casa no domingo de manhã, como fazia desde sempre, para dar uma corrida. Ao passar perto da casa de Vítor apercebeu-se de um cão que a seguia de muito perto. Receosa que este a mordesse pegou na bicicleta de Vítor para fugir do cão.

    A intenção de Ana Rita nunca foi a de furtar a bicicleta de Vítor mas tão só fugir do cão que estava cada vez mais perto de si.

    1. Poderá Vítor exigir alguma indemnização a Ana Rita pelo facto de esta ter levado a sua bicicleta? E se esta a devolver, alteraria a sua resposta?

    Ana Rita, desconhecendo que a bicicleta de Vítor não tinha travões, ao fugir do cão que se aproximava cada vez mais optou por seguir por uma rua muito íngreme e, ao pressionar os travões para abrandar apercebeu-se que estes não respondiam. Como resultado, acabou por entrar com a bicicleta dentro do jardim da D. Natália que lá se encontrava a ler o seu livro.

    1. Natália assustada por ver surgir a Ana Rita dos arbustos do jardim gritou muito alto para chamar o seu marido Carlos que se encontrava dentro de casa. Este, ao ouvir a esposa e receando tratar-se de um assaltante, sai da porta da cozinha e atira um tiro para o ar com o objectivo de assustar o assaltante.
    2. Não contava no entanto que, a falta de visão e de pontaria o traíssem e que a bala fosse embater no telhado da casa de D. Beatriz, sua vizinha, fazendo ricochete e batendo na D. Natália que, entretanto se levantara e andava de um lado para o outro assustada no jardim. Quem é responsável pelos ferimentos de D. Natália?
    3. Ana Rita não só estragou a sebe do jardim jardim da D. Natália e do Sr.Carlos como danificou as flores raras que a D. Natália cultivava e vendia a um preço elevadíssimo por serem muito raras e procuradas. D. Natália exige de Ana Rita uma indemnização, tem algum direito?
    4. Constatando que nada disto teria sucedido se a bicicleta se encontrasse em bom estado, Ana Rita pretende exigir uma indemnização a Vítor por a ter induzido em erro colocando na porta da sua casa uma bicicleta que não estava em condições de andar em segurança. Terá Ana Rita algum direito?
    5. E Vítor, o que pode exigir uma vez que a sua bicicleta ficou totalmente estragada não sendo possível sequer repará-la? O que pode Vítor exigir uma vez que ficou sem bicicleta e esta tinha um enorme valor sentimental pois tinha sido dada pelo seu avô que entretanto falecera?
  • #168217 Resposta

    Márcio Vieira

    <p style=”text-align: left;”>Boa noite.</p>
    <p style=”text-align: left;”>Gostaria de saber como  agir.</p>
    <p style=”text-align: left;”>Eu vivo numa vivenda  de 3 pisos em que o res de chão,  que é  a minha garagem é  de acesso comum para os outros habitantes dos apartamentos.</p>
    <p style=”text-align: left;”></p>
    <p style=”text-align: left;”>O caso é  este,  durante o dia  a cadela está no canil e durante a noite está na garagem,  isto para evitar barulhos,  mas é  óbvio que por vezes ladra.</p>
    <p style=”text-align: left;”>E agora um vizinho do apartamento mais afastado de mim  e com cães das outras casas ( frente,  lado,  trás)  ameaçar que chamava a polícia porque o cão quando ele chegava ao pé  da garagem lavrava… o que eu devo fazer… o mais estranho é que durante o dia na sua garagem toca bateria e bem alto e eu por saber que ele gosta nunca o alertei..</p>

    • #168309 Resposta

      Rui David

      Durante o período noturno tem de evitar o barulho, principalmente se for alto e constante.

  • #168220 Resposta

    jose morais

    Quanto a mim quem tem cão em casa  com mais de 3 kg de peso teria quie pagar um seguro bem caro ao nivel dum carro e ser expressamente proibido fazer barulho para os vizinhos  multas na ordem de 500 € cada vez que a guarda for chamada ao local e detetar a barulhada, se os fumadores foram proibidos de fumar ao pe dos que não fumam para não os incomodar porque razão temos que estar a ser incomodados  com o barulho dos cães dos  vizinhos

  • #168291 Resposta

    Rita Oliveira

    Boa tarde,

    Tenho 3 cães e vivo numa vivenda, tenho vários vizinhos, mas no entanto só um se queixa do barulho durante a noite. Já falei com alguns dos vizinhos e ninguém se queixa para além daquele. Não sei o que fazer.

    Os meus cães fazem parte da minha família.

    Preciso de ajuda.

    • #168310 Resposta

      Rui David

      A questão do ruído noturno, seja de que fonte for, deve ser, naturalmente, evitado e é, geralmente, levado a sério pelas autoridades policiais. Se os seus cães ladram durante a noite deve educa-los para que tal não aconteça. Caso não o consiga fazer pelos seus meios, pode pedir ajuda a um treinador ou escola de educação canina que, com metodologias positivas, conseguem, na maior parte das vezes, bons resultados. A alternativa é a criação de mau ambiente entre a vizinhança e, caso as autoridades sejam chamadas e chegarem à conclusão de que existe realmente muito ruído durante a noite, vão, muito provavelmente aplicar uma multa e dar um prazo de tempo para que o problema seja resolvido.

  • #168599 Resposta

    Marlene Torres

    Boa tarde,

    Estou à cerca de dois meses a viver numa moradia. Anteriormente vivia num andar moradia e ao longo do tempo fomos-nos apercebendo que há pessoas que não sabem viver mesmo em sociedade, poucas são as que conseguem ter respeito pela vizinhança e fazem o que querem. Prezo muito o sossego e respeito muito o sossego de toda a gente. Na anterior habitação não havia animais em nenhum dos andares, Graças a Deus. Por muito que se tenha cuidado, incomoda sempre. Mas havia outros barulhos. Julgávamos nós que ao mudar de casa, e comprando uma moradia, iríamos viver em paz e finalmente iríamos aproveitar os fins de semana para dormir até mais tarde…Não é isso que está a acontecer! Dois vizinhos, cujas traseiras das suas moradias e que dão para as traseiras da minha casa, têm um cão cada um. A rua é muito sossegada, não se houve nada, apenas o ladrar constante dos dois cães. A cozinha, o meu quarto e o do meu filho dão para as traseiras. Chegamos a casa, quase sempre por volta das 19h e desde que chegamos os dois cães ladram constantemente, estamos a chegar e eles já estão a ladrar e julgo que ladram por ladrar, não têm razões para isso, porque não se vê nada, nem ninguém…Os poucos fins de semana que ainda passei na casa nova, acordo sempre por volta das 7h15, pois os donos poe-nos no pateo, julgo para fazerem as suas necessidades e começa a “festa”. Uma coisa é certa, por volta das 23h ambos são recolhidos para dentro de casa. Mas um deles até dentro de casa se houve a ladrar, pois o barulho entoa e consigo ouvir de minha casa. Adoro animais, sou incapaz de fazer mal aos bichos, mas digam-me, sou obrigada a aturá-los? Vê-se que os animais estão ali por estar, só para dizerem que têm um cão? Não lhes dão amor, nem carinho, nunca os vejo a passearem com os animais na rua…estão num pequeno espaço de pateo. Volto a repetir, gosto de animais, mas não tenho culpa nenhuma que as pessoas não saibam tratar deles, preciso do meu descanso, tenho o direito de estar dentro de minha casa em paz e sossego e quero usufruir desse descanso quando bem me apetece e não é só a partir das 23h00 até às 7h15 da manhã, porque está na Lei…Não conheço os vizinhos, nunca os vi, fico indecisa e sem saber se vou falar com eles e expor a situação…como será que vão reagir? Se chamo a polícia, começo mal e crio logo um ambiente de má vizinha e sei lá o que poderão fazer como “vingança”. Sempre fui educada a respeitar os outros e viver com má vizinhança e em constantes conflitos, não é o meu lema de vida. Os cães ladram sim, mas há que saber educá-los desde bebés e aqui não há respeito por ninguém, nem pelos vizinhos, nem pelos animais…

  • #170817 Resposta

    David

    Boa tarde, vivo em um prédio no 4º andar, e encontro-me numa situação semelhante. Tenho uma cadela de raça labrador que fez hoje dois meses de idade, trouxe-a para o prédio no passado dia 12, e como devem calcular nos primeiros dias nem eu consegui dormir porque tive de restringir a cadela a uma só parte da casa durante a noite ( sala e varanda ), e a cadela ganiu e ladrou, por estar sozinha, algumas vezes até eu intervir. Decidi deixa-la nessa zona pois por enquanto ela tem necessidade frequente de fazer as suas necessidades fisiológicas, e fá-lo em qualquer sitio porque ainda não aprendeu a fazer numa caixa apropriada para tal, que está na varanda. Contudo durante o dia eu vou trabalhar e a cadela fica mais uma vez sozinha, e para evitar ela destruir tudo, por eu não estar presente, eu costumo deixa-la só na varanda. É bastante possível que nos primeiros dias ela tenha feito muito barulho (ganir e ladrar), mas com o tempo pareceu estar a habituar-se, e a reduzir o tom, até mesmo quando a deixo na sala de noite, ela já percebe que vou dormir e não ladra, pode só ganir baixinho durante um bocado, porem pode ladrar de manhã. Felizmente acho que já começou a perceber que o sitio das necessidades é lá fora, mesmo que o faça fora da caixa :) No entanto, e mesmo estando fora este dois dias, e deixando a cadela com um amigo, quando chego hoje a casa, tenho uma notificação no correio. Já liguei, e não me sabem dizer ao certo o que se vai passar, mas que era relacionado com um canídeo e ruído. hora eu decidi informar-me e já percebi que posso ser multado se a situação se mantiver apos ser avisado, e que se foi notificado via correio, foi uma situação no horário diurno.

    Gostaria que me deixassem a sua opinião, se tenho que mudar alguma coisa para que a cadela deixe de ladrar, ou se deva deixa-la destruir a casa só para ela não ficar tão triste.

    Gostaria também de saber se o acusador é obrigado a identificar-se e se eu tenho o direito de saber quem fez a acusação.

  • #176018 Resposta

    Ivo Oliveira

    Boa tarde

    Hoje pelas 3 da tarde tava na casa de banho oico dois indivíduo da policia a bater a minha porta como que a minha porta fosse um tambor.

    Falei com os guardas e dizeram me que recebram queixas dos meus cães sobre o ladrar.,é possivel que eles ladrem quando nao estoubem casa.

    O que posso fazer para eles nao ladrarem muito??

    Os meus caes nao podem estar juntos porque um ja de certa idade ladra a noite quando eu chego a casa eu sei muito bem disse e o outro é um cao a pilhas. Sera possivel fazerem queixas sobre o barulho mesmo eles terem tudo em dia???

  • #177437 Resposta

    João Gomes

    Gostaria de deixar à discussão a situação seguinte: Acolhi uma cadela que encontrei em péssimo estado na via pública e coloquei-a num canil improvisa num lote de terreno de 500 metro, onde a alimento a trato com os cuidados que necessita. A cadela, de médio porte, comporta-se com um cão normal, não tem um ladrar persistente nem agonizante, apenas ladra quando sente alguém se aproximar, por pouco tempo (instantes). Acontece porém que um dos vizinhos, que dista há mais de vinte metros do canil, que trabalha por turnos e explora parte da sua habitação como alojamento local, não admite qualquer ruído e insurge-se de forma acintosa, insultuosa quando a cadela decide latir um pouco, ameaçando inclusive em lhe dar um ‘mau caminho’. A questão que se coloca é saber se há algum tipo de protecção contra este tipo de investidas de gente intolerante (insisto que mal se nota a presença do animal, apenas os latires muito esporádicos e breves), como por exemplo a solicitação a algum organismo público da verificação ou monitorização inopinada dos ruídos.

    • #177963 Resposta

      Rui David

      O que vai acontecer, caso o vizinho apresente uma queixa, é as autoridades policiais pedirem para ver a documentação legal do animal – boletim de vacinas actualizado, chip de identificação e registo na junta de freguesia – em caso de ausencia podem aplicar multas pecuniárias; depois há a questão do lugar e condições onde o animal vive; as autoridades vão, provavelmente tentar perceber quanto ruído realmente existe, podem falar com outros vizinhos, por exemplo.

  • #167455 Resposta

    Vitor Gomes

    A Ana Cristina na minha opinião está a ver mal o filme.

    Primeiro se tem queixas a fazer, deve fazê-las na origem primeiro, e, não resultando, nas autoridades depois.

    Se para si é um “lol” o simples facto que cães perto a ladrar ouvem-se e incomodam substancialmente mais que cães longe a ladrar, revela alguma incapacidade de processar o óbvio. Portanto acha que o senhor deve fazer queixas iguais esteja o cão mesmo ao lado ou esteja duas ruas abaixo a ouvir-se lá ao longe..

    Depois fala de situações que provocam barulho, feitas por humanos, não explica é se é todos os dias e todas as noites, porque ninguém vai chamar a policia porque uma mota passou e fez barulho, isto parece-me óbvio, mas se a mota passar todos os dias ou de madrugada, durante semanas, se calhar já se pode tentar exercer um direito ou outro..

    Quanto à incoerência do vizinho de pedir silêncio mas ter desrespeitado ocasionalmente, será que ele sabe disso ou somente quem veio a este fórum ler? Outro facto igualmente lógico é que por vezes as pessoas fazem coisas sem se aperceberem, mas quando têm conhecimento, aí sim, decidem se continuam a fazer ou resolvem.

    Se não lhe diz nada quando corta a relva (não todos os dias e sistematicamente como o possivel ladrar de cães) ele pode, por mais esquisito que lhe possa parecer, não se aperceber que vos incomoda. Mas até ver ele tem mais pontos positivos que a senhora, pois quando se sente incomodado com cães ou música, ele decide que os autores do ruído sejam os primeiros a saber, em vez das autoridades, e a senhora decide que primeiro deve expor aqui a desconhecidos na web, e daqui a uns anos talvez o confronte com os seus pensamentos..

    Eu tenho um filho, que faz barulho a brincar com carrinhos em horas normais, se tivesse um cão a ladrar ao lado, acha que perdia o direito de me queixar só porque o meu filho fazia outro tipo de barulho? Há vários factores que pesam, o ser esporádico, o ser constante, o ser humano, o ser possível resolver, etc.

     

    Cumprimentos.

  • #168640 Resposta

    Filipa

    Bom dia!

    Relativamente ao comentário que foi feito ontem à noite, peço desculpa pelos termos usados mas estava de cabeça quente pois por volta das 22h o cão ladrou e esta minha cunha desatou ao gritos na rua a ofender-me porque o cão ladrou! Daí a minha revolta ontem, uma pessoa também não é de ferro, sempre a ouvir gritaria e ofensas chega um ponto que cansa! Mais uma vez lamento!

    Tenham todos um bom dia!

  • #169129 Resposta

    ruidavid
    Administrador

    Infelizmente todos estamos sujeitos às diferentes sensibilidades dos vizinhos e por vezes ouvimos comentários menos felizes.

    Uma chamada de atenção: mesmo estando em sua casa, não pode ter 10 póneis se assim o entender. Há leis de limitam o tipo e número de animais que se podem ter numa habitação (ver “Regras em casa” em Informe-se> Toda a legislação). Para o caso de haver uma queixa e receber a visita das autoridades, o melhor é sempre confirmar se os animais estão devidamente legalizados e é bom, se possível, poder contar com a declaração de outros vizinhos em como o seu animal não os incomoda, sobretudo no que toca a ruído nocturno.

Resposta a: Fui Abordado pela GNR após queixa de ruido
A sua informação





<a href="" title="" rel="" target=""> <blockquote cite=""> <code> <pre> <em> <strong> <del datetime=""> <ul> <ol start=""> <li> <img src="" border="" alt="" height="" width="">